Formação

A tempestade acalmada

“E levantou-se grande temporal de vento, e subiam as ondas por cima do barco, de maneira que já se enchia. Ele estava na popa, dormindo sobre uma almofada, e despertaram-no, dizendo-lhe: Mestre, não se te dá que pereçamos? E ele, despertando, repreendeu o vento, e disse ao mar: Cala-te, aquieta-te. E o vento se aquietou, e houve grande bonança.” (Marcos 4, 35-41)

É importante que busquemos nos colocar nesse lugar, imaginar essa situação em que Jesus vai falar de maneira particular a cada um de nós. Precisamos realmente abrir o nosso coração para ouvi-lO!

As tempestades da nossa vida

Fazendo um paralelo entre a tempestade vivida pelos discípulos com as “tempestades” da nossa vida – do medo, das tentações, dentro da família, nos nossos relacionamentos, em tudo aquilo que nós entendemos que está agitado –, devemos nos questionar para onde estamos remando na nossa vida. Qual é o caminho que o meu barco está percorrendo? Quais são as águas que tem enchido o meu barco? Somente diante de Jesus temos a oportunidade de mudar de direção e de nos esvaziarmos dos medos que abalam nossa fé.

Quando Jesus é interrogado pelos os discípulos: “Mestre, não te importas que pereçamos?” Nós, assim como os discípulos, muitas vezes culpamos a Jesus pelas nossas tempestades. Então Ele se manifesta, e mostra que, na verdade, somos tão medrosos, que ainda não temos fé. No Evangelho vemos que os discípulos ficaram agitados por medo.

Busquemos Aquele que nos sustenta

Ao passarmos por alguma dificuldade, seja financeira, na saúde, na família, situações que realmente nos agitam e tiram nossa paz, é aí que precisamos procurar a ajuda d’Aquele que nos sustenta, e dá a sabedoria necessária para enfrentar os obstáculos que a vida nos propõe.

Nesse contexto, recordemos o que diz Santo Agostinho: “A fé é acreditar no que você ainda não vê, e a recompensa por essa fé é ver em quem você acredita”. Somos inconstantes e facilmente perdemos a nossa fé, por isso precisamos estar fortalecidos através da oração diária, na Santa Missa, com a Eucaristia, nas Quintas-feiras de Adoração… Em lugares que alimentam a nossa fé.

Ele é o Senhor de todas as coisas

Assim, poderemos perceber que o que nos auxilia a dar passos concretos na fé são as próprias dificuldades que enfrentamos. Se nossas vidas se encontram agitadas, eis aí uma oportunidade, pois a partir dessa dificuldade podemos ter uma experiência verdadeira com Jesus. Junto a Ele os nossos sofrimentos ganham um novo sentido, passamos a entender que Ele é o Senhor de todas as coisas. Vivamos sob o Seu senhorio!

Portanto, o medo é o contrário da fé, por isso Jesus está sempre nos questionando: “ainda não tendes fé?” Peçamos ao Senhor para sermos fortalecidos na fé, e confiarmos a Ele as nossas tribulações, nossos medos, na certeza de que somente Ele pode acalmar o mar revolto que nos agita.

 

Carlos Rony Silveira
Discípulo Menor na Comunidade de Aliança Filhos de Sião

Conheça nossos autores

Abrir bate-papo
Olá
Podemos ajudá-lo?