Formação

Cristo Ressuscitou, Aleluia! Venceu a morte com amor! Aleluia!

Nova vida pela Ressurreição

Neste domingo extraordinário celebramos a Páscoa de Jesus: o Cristo que triunfou sobre a morte e a dor e nos inseriu na nova vida pela Sua ressurreição. Por essa razão, a tristeza é vencida pela alegria da vida, que brilha para sempre. Na força da vida nova que nos é dada por Jesus, cantamos: “Este é o dia que o Senhor fez para nós: alegremo-nos e nele exultemos!”. Nossa alegria é Cristo e Cristo ressuscitado. Aleluia!

Em Cristo, a Ressurreição é maior que a morte Ele ressuscitou dos mortos porque era impossível que as trevas O dominassem. Assim, Deus, em Sua insondável sabedoria e desígnio, permitiu que seu Filho fosse entregue à morte por mãos iníquas, sendo morto pelos chefes dos judeus. Permitiu Sua morte para que, através dela e de sua Ressurreição, Jesus redimisse o ser humano e o reintegrasse, por dom divino, à comunhão com o Pai.

Ele está vivo!

Diante da Ressurreição, recordemos que o primeiro acontecimento da manhã deste Domingo é a descoberta do sepulcro vazio (cf. Mc 16, 1-8). Sabemos pela Palavra de Deus que o local onde Cristo fora sepultado era novo, ou seja, ninguém tinha sido sepultado ainda nele (Jo 19,41). E sobre isso, São Tomás de Aquino nos ensina que convinha ser assim, um sepulcro novo, pois se outros corpos tivessem sido depositados aí, não se saberia qual havia ressuscitado.

Portanto, o sepulcro vazio foi a base de toda a ação e pregação dos Apóstolos, que muito bem registraram eles… São João afirma: “O que vimos, ouvimos e as nossas mãos apalparam isto atestamos” (1 Jo 1,1-2). E muitas foram as ocasiões que Jesus ressuscitado apareceu: primeiro à Madalena (Jo 20, 19-23); aos discípulos de Emaús (Lc 24,13-25); aos Apóstolos no Cenáculo, com Tomé ausente (Jo 20,19-23); e depois, com Tomé presente (Jo 20,24-29); no Lago de Genesaré (Jo 21,1-24); no Monte na Galileia (Mt 28,16-20); segundo São Paulo “apareceu a mais de quinhentas pessoas” (1 Cor 15,6) e a Tiago (1 Cor 15,7). Verdadeiramente, ressuscitou!

Logo, sabiamente a Igreja celebra a Páscoa num período de oito dias como se fosse um único dia. Afinal, a Ressurreição é a festa das festas, na qual a vida que vence a morte. Como não nos alegrar? A luz brilhou, Ele está vivo e reina entre nós! Aleluia!

Uma santa e abençoada Páscoa!

 

Vander Lúcia Menezes Farias
Fundadora da Comunidade Filhos de Sião

Conheça nossos autores

Abrir bate-papo
Olá
Podemos ajudá-lo?