Formação

Enchei-vos do Espírito Santo 2024 – Uma entre todas foi a escolhida, Maria

“Maria de Nazaré, Maria me cativou. Fez mais forte a minha fé, e por filho me adotou. Às vezes eu paro e fico a pensar, e sem perceber me vejo a rezar. E meu coração se põe a cantar, pra virgem de Nazaré. Menina que Deus amou e escolheu, pra Mãe de Jesus, o Filho de Deus. Maria que o povo inteiro elegeu, Senhora e Mãe do céu…
Ave Maria, Ave Maria, Ave Maria, Mãe de Jesus.
Maria que eu quero bem, Maria do puro amor, Igual a você ninguém, Mãe pura do meu Senhor. Em cada mulher que a terra criou, um traço de Deus Maria deixou. Um sonho de mãe Maria plantou, pro mundo encontrar a paz. Maria que fez o Cristo falar, Maria que fez Jesus caminhar. Maria que só viveu pra seu Deus, Maria do povo meu!” (Pe Zezinho).
Irmãos, Maria nos aponta Jesus e nos faz olhar para Ele. Ela tira toda a atenção dela mesma, por isso nos faz olhar para o Seu Filho, e assim nos introduz nele. Que neste momento Nossa Senhora nos faça encontrar Jesus!

Neste ano, o Senhor quer nos encher do Espírito Santo através de sua Mãe. Ela foi a “toda cheia” do Espírito Santo!

Conduzidos por São Lucas 1, 26 – 35.
“Como se fará isso?”, foi a pergunta de Maria ao anjo. Tudo o que aconteceu com Nossa Senhora, a Virgem Maria, a pequena de Nazaré, foi obra do Espírito Santo.

Então, por que e para que Ela foi escolhida?

Dentre todas as mulheres de Israel, o Senhor Deus escolheu uma menina da cidade de Nazaré, escondida entre outras cidades. Ninguém dava nada por Nazaré, no entanto, Deus foi lá, na periferia daquela região, e escolheu uma menina chamada Maria – para nela colocar seu Espírito Santo e para chamá-la de: A Mãe do Salvador e da Humanidade.

Nesse sentido, iremos nos aprofundar em três coisas interessantes nessa escolha divina por Nossa Senhora:

  1. Ela ouviu a Palavra de Deus;
  2. Ela guardou a Palavra de Deus;
  3. Ela deixou a Palavra de Deus gerar frutos na sua vida de perseverança.

Diante dessas realidades, olhemos para a visitação do Anjo à Nossa Senhora. Não foi uma visita qualquer, mas foi a visita que transformou e modificou toda a vida dela!

A discípula de Cristo

Além disso, São Lucas nos dá uma catequese de sermos seguidores de Jesus através de Nossa Senhora. O evangelista tem uma pedagogia de nos fazer olhar para Maria que, como Mãe do Salvador, se colocou na disposição de seguir Jesus, ou seja, Nossa Senhora também se transformou em discípula de Jesus. Portanto, discípulo é aquele que deve amar a Jesus mais do que aos seus, e que carrega sua cruz.

Também, São Lucas nos ensina que, para ser discípulo de Jesus, é preciso renunciar os bens por amor a Deus. A renúncia logo aperta o nosso coração. Quando Deus nos dá algo, muitas vezes nos enganamos e pensamos que foi conquista nossa. Mas o discípulo aguarda sempre o ensinamento do Mestre, ele se coloca no caminho da humildade e do serviço.

Assim sendo, Nossa Senhora disse para o anjo: “Eis aqui a serva do Senhor”. Ela se colocou em prontidão. Maria se colocou submissa à vontade de Deus.

Serva da vontade de Deus

Maria se deteve em ficar submissa à vontade Deus, o único título que Maria se deu foi o de serva – “Eu sou serva da vontade de Deus”.

Sua perseverança à Palavra de Deus, que mudou rumo da história, fez Maria entender que a sua vontade pessoal estava submissa à vontade de Deus. Não foram palavras soltas ou coisas inventadas, mas a Palavra de Deus. Assim, o anjo enviado por Deus anunciou, enquanto Maria escutou e perseverou.

No Antigo Testamento, “Ouve, Israel” era a expressão inicial que demonstrava o entendimento da voz de Deus. Por essa razão, os judeus eram treinados para ouvir a palavra, estarem atentos, a fim de entender e obedecer. Ouvir o Pai era uma condição daquele povo – pois o verdadeiro seguidor de Deus é aquele que ouvia.

Logo, o que confortava o coração de Israel era ouvir a Palavra de Deus – ela enchia e alimentava os seus corações.

Apesar disso, houve uma revolta do povo de não querer ouvir a voz de Deus – foi a maior luta de Moisés: conduzir o povo à terra prometida. Quando ele subia para orar, o povo já buscava adorar a outros deuses.

Não ouvir a Palavra de Deus é como romper com o Senhor e, quando se rompe, o pecado entra e desordena a vida do homem. Isso porquê deixou de ouvir a voz do Senhor para ouvir a própria voz, os prórios prazeres e planos.

Ouve, Israel

Quando deixamos de ouvir a voz do Senhor, nós estamos rompendo com uma aliança, o que torna o nosso coração endurecido, petrificado – e vamos ficando resistentes a Deus.

Ao contrário daquele povo, que se revoltou contra o Senhor, Nossa Senhora responde ouvindo atentamente a Palavra de Deus.

Se Israel não cumpriu esse chamado de ouvir a Palavra, Maria – repleta do amor divino – usufrui da presença permanente de Deus. Tal como afirmou o Anjo: “o Senhor é contigo”, foi essa a palavra permanente dita à Maria.

Ela aceitou o fato de Deus, com o objetivo de permanecer na presença dEle, e por esta presença, o Senhor concedeu a sua proteção. Foi a promessa divina para com Maria! A mulher que ouve a Palavra e se coloca na disposição para assumir a missão.

Ouvir e guardar a Palavra

Ao ouvir a Palavra de Deus, Maria se torna uma mulher feliz. Mas ouvir a Palavra de do Senhor não é suficiente, pois o inimigo de Deus pode arrebatar esta Palavra do nosso coração. É preciso guardar a Palavra para não corrermos este risco.

Nossa Senhora guardou a Palavra em seu coração se colocando na disposição de servir a Deus. Guardou tudo em seu coração de forma generosa, pois era capaz de se doar e viver a partilha.

A Palavra precisa criar raízes, senão desistiremos em meio à tentação. Sobre essa verdade, Nossa Senhora também passou por tentações. Mas a Palavra estava guardada em seu coração, sendo capaz de transformar a sua vida em prontidão para receber o Mestre.

Perseverança gera frutos

Para ser bons discípulos é preciso frutos de perseverança pela Palavra de Deus. Durante o Evangelho, Jesus fala muito em “frutos”, remetendo-se ao agricultor, a plantar, colher – algo que é bem presente no nosso meio, e que também era a realidade concreta do povo de Israel.

Portanto, produzir fruto é o chamado verdadeiro de discípulo. É necessário dar frutos “100 por 1”! Se a Palavra não for acolhida por nós, não será dada aos outros para que possam também produzir frutos. Recordemos que a árvore que não der bons frutos é cortada e jogada fora.

Se Maria ouviu e guardou a Palavra de Deus, ela colocou imediatamente em prática o servir – quando partiu para visitar sua prima Isabel. A Palavra a impulsionou a ir, Maria não sufocou a ação da Palavra.

Quando a fé não é confirmada, ela não cresce e não dá frutos. A fé precisa ser vivida de forma comum. Se fosse para todo mundo viver sua fé de forma isolada, Jesus não teria dado um mandato para os discípulos: “Eu peço que vocês estejam juntos em Jerusalém”.

Por fim, é pelos frutos de perseverança que chegaremos à maturidade e nos tornaremos discípulos de Jesus Cristo. Aprendamos com Nossa Senhora a ouvir, guardar e perseverar, a fim de darmos frutos pela Palavra de Deus.

Pela infidelidade do povo de Israel foi quebrada a aliança com Deus, ao passo que Maria – com a fidelidade ao Senhor – tornou a aliança possível novamente.

 

Francisco Adriano Silva
Cofundador e Consagrado na Comunidade de Vida com Promessas Definitivas

Conheça nossos autores

Abrir bate-papo
Olá
Podemos ajudá-lo?