Formação

A oração transforma a inquietude em disponibilidade

A Comunidade Filhos de Sião faz a abertura do ano com a Semana de Formação, que neste ano de 2021, possui como tema II Timóteo 1, 7:  “Pois Deus não nos deu um espírito de timidez, mas de fortaleza, de amor e de sabedoria”.

Desse modo, a Comunidade faz-nos entender que Deus não nos deu um espírito tímido, covarde, envergonhado, medroso, e sim, de fortaleza, de amor e de sabedoria.

O tema da Semana de Formação da Comunidade deve ser também o rema que sustenta os Filhos de Sião durante todo o ano que se inicia. Sendo assim, quando chegarem os momentos de timidez, de dificuldades, devemos sempre lembrar e dizer para nós mesmos: “Pois Deus não ‘me’ deu um espírito de timidez, mas de fortaleza, de amor e de sabedoria”. E, tomados pela força do Espírito Santo em nós, começamos a fazer uma caminhada diferente.

Contudo, além do tema geral apresentado acima, que deve ser vivido por todos da Comunidade Filhos de Sião, temos também o tema do Ano Vocacional e é sobre esse tema que vamos tratar nesta formação.

Neste ano de 2021, o tema vocacional está fundamentado na catequese da Audiência Geral, realizada pelo Papa Francisco, em 18 de novembro de 2020, que tem como ideia central: “A oração transforma a inquietude em disponibilidade” e como principal exemplo a figura da Virgem Maria.

De acordo com o Dicionário Online de Português, inquietude significa agitado, desassossego, nervosismo, ação de se preocupar com o que, normalmente, se encontra acima de seu entendimento.

Nosso primeiro questionamento deve ser: como está nossa vida interior? Estamos vivendo inquietos ou calmos? Lembrando que a vida calma nos leva a disponibilidade.

O Papa Francisco nos diz que devemos aprender a rezar como Maria Santíssima quando ela recebeu a visita do Arcanjo Gabriel: “quando ela é uma simples jovem futura esposa de um homem da casa de Davi, Maria reza. Podemos imaginar a jovem de Nazaré recolhida em silêncio, em contínuo diálogo com Deus, que logo lhe confiaria a sua missão”.

Enquanto Maria, no silêncio, dialogava com Deus, Deus a visitou através do Arcanjo Gabriel para confiar a ela a sua missão. A missão que atinge toda a humanidade hoje, que nos atingiu também. A missão de ser a mãe do Salvador, a mãe de Deus e, posteriormente, a mãe da Igreja. Isso se deu pela oração silenciosa de Maria em diálogo com Deus.

Para o Papa Francisco: “Ela já está cheia de graça e imaculada desde a concepção, mas ainda não sabe nada de sua surpreendente e extraordinária vocação e do mar tempestuoso que terá de enfrentar”.

Mas a maneira que Maria, a Virgem de Sião se preparou para acolher a visita de Deus, com o seu coração calmo, com o seu coração quieto, com o seu coração capaz de dialogar com Deus, Deus revelou para Maria a sua missão. Deus revelou para ela o que os profetas já vinham dizendo antes, preparando o povo. E Deus vai e se revela a Maria.

E nós, Filhos de Sião, neste Ano Vocacional, vamos buscar fazer nossa caminhada, desejando obter esse coração quieto, esse coração que não se preocupa, que não se agita, esse coração que não é levado pelo nervosismo, mas um coração que fica calmo para poder ouvir a Deus e ouvindo Deus, nós vamos descobrindo a nossa missão, assim como fez Maria.

Ainda segundo o Papa Francisco: “a oração acalma as nossas inquietudes”. Quantas vezes dizemos que não conseguimos rezar, pois estávamos muito inquietos! Que havia uma perturbação muito grande no nosso interior e não conseguimos parar, não conseguimos fazer nada! E que dentro de nós havia um movimento que incomodava.

Precisamos descobrir a verdadeira oração. Nós tivemos uma experiência com Deus e, para nos alimentarmos, precisamos ter uma vida de intimidade com Deus. E a vida de intimidade com Deus nos leva a ter esse diálogo com Ele, a fazer um trato de amizade com Deus, como nos diz Santa Tereza D’Ávila.

Precisamos nos perguntar: Deus é nosso amigo? Deus é aquele que está perto nós? Contamos a nossa vida para Deus? Deus é nosso amigo ou é somente um “socorrista” nas horas de dificuldade, quando estamos “feridos” ou já “morrendo”? Deus é nosso amigo ou Deus é um “parteiro”, que vem só para nos levantar, para nos dar vida? O que Deus é na nossa vida? O que Deus é para nós? Pela nossa vida de oração, vamos descobrindo quem é Deus.

Temos que refletir: Quem está conduzindo nossa vida? Como estamos caminhando como Filhos de Sião que somos chamados a ser? Como temos rezado para nos deixar ser conduzidos por Deus? Nossa vida está sendo construída como Deus quer?

 

Francisco Adriano Silva
Cofundador da Comunidade Filhos de Sião

Fonte: Vatican News (Texto: “Francisco: a oração transforma a inquietude em disponibilidade”, de Mariangela Jaguraba).

Conheça nossos autores

Abrir bate-papo
Olá
Podemos ajudá-lo?