Formação

Quem diz que ama a Deus e não ama o seu irmão é um mentiroso

Amados, amemo-nos uns aos outros, pois o amor procede de Deus.

Aquele que ama é nascido de Deus e conhece a Deus. Quem não ama não conhece a Deus, porque Deus é amor. Foi assim que Deus manifestou o seu amor entre nós: enviou o seu Filho Unigênito ao mundo, para que pudéssemos viver por meio dele.

Nisto consiste o amor: não em que nós tenhamos amado a Deus, mas em que ele nos amou e enviou seu Filho como propiciação pelos nossos pecados. Amados, visto que Deus assim nos amou, nós também devemos amar-nos uns aos outros. Ninguém jamais viu a Deus; se nos amarmos uns aos outros, Deus permanece em nós, e o seu amor está aperfeiçoado em nós. Sabemos que permanecemos nele, e ele em nós, porque ele nos deu do seu Espírito.
E vimos e testemunhamos que o Pai enviou seu Filho para ser o Salvador do mundo.

Se alguém confessa publicamente que Jesus é o Filho de Deus, Deus permanece nele, e ele em Deus. Assim conhecemos o amor que Deus tem por nós e confiamos nesse amor. Deus é amor. Todo aquele que permanece no amor permanece em Deus, e Deus nele. Dessa forma o amor está aperfeiçoado entre nós, para que no dia do juízo tenhamos confiança, porque neste mundo somos como ele.

No amor não há medo; pelo contrário o perfeito amor expulsa o medo, porque o medo supõe castigo. Aquele que tem medo não está aperfeiçoado no amor.
Nós amamos porque ele nos amou primeiro. Se alguém afirmar: “Eu amo a Deus”, mas odiar seu irmão, é mentiroso, pois quem não ama seu irmão, a quem vê, não pode amar a Deus, a quem não vê. Ele nos deu este mandamento: Quem ama a Deus, ame também seu irmão.

Essa palavra nos faz refletir como está o nosso relacionamento com os nossos irmãos, com aqueles que moram em nossa casa, que partilham de uma vida íntima conosco, será que temos nos esforçado para amá-los como Deus nos pede? Pois Ele nos pede, mais nos capacita para que possamos cumprir com o seu pedido, nos dando a graça de  forma perfeita e grandiosa, que vai além dos nossos medos e inseguranças.

No início da palavra, diz que somente quem conhece a Deus é capaz de amar verdadeiramente, com isso vemos que Ele é essa força, que vai nos ajudar a amar, às vezes partilho com jovens que sofrem com términos de relacionamento, ou que estão em relacionamentos abusivos e que não reconhecem, e vejo que é uma graça reconhecer o amor de Deus, pois a partir desse momento, não vamos mendigar amor nenhum, mais para conhecermos a Deus alguém chegou para nós, e falou sobre Ele, não é verdade? Alguém chegou a mim, e disse; Safira, existe uma pessoa que morreu por você, alguém que te ama, que está contigo cada segundo da sua vida, e hoje eu sou capaz de viver essa graça, porque Deus que é o Amor foi apresentado a mim, e agora a minha missão é levar esse amor aos outros, é algo que acontece naturalmente, a partir do momento que a gente tem um encontro verdadeiro com  Deus, e que nós conhecemos esse Amor, e ele vai nos preenchendo, e transborda, que vai muito além de mim, então as pessoas que convivem comigo, elas acabam partilhando desse Amor, fica muito natural, exemplo: se eu encher um copo até o topo, e depois continuar enchendo, ele vai transbordar, não é verdade? Então, da mesma forma acontece com o amor de Deus, que é tão grande, tão infinito, que não cabe apenas dentro de mim, por isso quando eu me lanço nesse amor, e me deixo ser amada, vai transbordar para os outros, que convivem comigo, mas irmãos, agente sabe que falar sobre o Amor, é algo tão bonito, tão romântico, chega a ser poético, mais sabemos que na prática não é assim tão fácil, porque existem os irmãos que são mais difíceis de serem amados, e nós temos as nossas dificuldades, as nossas limitações, é por isso que Deus não nos deixa sozinhos, por que sabe, que sozinhos não conseguimos amar, nosso amor é falho, Ele nos dá o espírito santo, então a partir do momento que o espírito santo é derramado sobre nós, recebemos esse dom, essa graça.

Ao olharmos para a cruz, vemos um homem crucificado, um Deus que morreu, em uma cruz, uma morte tão cruenta, por amor a mim, será que eu mereci? Mesmo diante de todos os meus pecados, de toda a minha miséria, morreu para a minha salvação, então percebemos que o Amor requer de nós sacrifícios, mais aí você pergunta, vou precisar morrer por alguém? Não, não é isso, mais nós nos sacrificamos por alguém, quando deixamos de lado um tempo de lazer, para ouvir um irmão que precisa da nossa palavra, da nossa ajuda, essa é uma manifestação do nosso amor ao próximo, então o amor causa em nós essa capacidade de renúncia, e como Deus nos amou primeiro, temos essa capacidade de amar, e se nós amamos a Deus, permanecemos em Deus, na verdade o amor a Deus, e o amor ao irmão, não se difere, a forma que você trata o irmão, revela como está a sua intimidade com Deus, porque Cristo se encontra, no pobre, no necessitado, mais também se encontra na nossa casa, no nosso trabalho, então não podemos selecionar as pessoas que queremos amar, Deus quer que amemos a todos.

Não precisamos amar próximo de forma grandiosa, como o sacrifício de uma cruz, mais nos pequenos atos, nesse tempo de pandemia tivemos a oportunidade de aprender a amar nós mesmos, e aos nossos irmãos, quando colocamos uma máscara para cuidar do outro.

O mandamento é esse: Quem ama a Deus, ame também o seu irmão.

 

Alessandra Safira Capistrano
Discípula Menor I na Comunidade Aliança Filhos de Sião

Conheça nossos autores

Abrir bate-papo
Olá
Podemos ajudá-lo?