Formação

Retiro Comunidade de Aliança: Encarnar o Carisma

“Quem não adorar não vai aguentar… Eu sei, a luta é grande, mas a graça é maior. Joelho no chão, fé no coração: meu filho, aguenta firme!”

(Trecho da música “Quem não adorar não vai aguentar”, Ana Lúcia – Comunidade Canção Nova).

Inicialmente, a primeira coisa necessária para encarnar o Carisma é recebê-lo, porque ele é um dom – um presente, uma graça. Sendo assim, receba para o encarnar! Nós precisamos estar nesta disposição de receber o Carisma, que é dom de Deus.

Além disso, o Pai escolheu você, separou e o presenteou com o dom de amar o Amor que não é amado. Depois da vida, esse é o maior presente de Deus na sua história. É o seu ser, sua existência, sua forma: é você! O próprio Senhor infundiu em você essa grande graça.

A potência do Carisma para amar

Sabendo dessa realidade, é preciso tomar posse do carisma. Ele é uma potência, uma força que nos transforma, molda e deixa capacitado para toda boa obra – de eternidade, louvor e adoração. O Senhor te fez um separado e deu algo extraordinário: o dom de amá-Lo louvando-O e adorando-O, porque Ele não é amado.

Somente nós, Filhos de Sião, podemos amar do modo que o Pai espera que O amemos. E nos foi dado um louvor e uma adoração que agrada a Deus, um jeito de viver, de trabalhar e de existir que agrada a Ele.

Como recebemos esse dom? Primeiro, Ele nos fez experimentar a imensidão do seu amor. Depois se apresentou como o Amor abandonado na Cruz, e disse para nós que “o Amor não era amado”.

Se Ele não tivesse nos amado primeiro, nos feito experimentar a imensidão do seu amor, não teríamos compreendido Cristo abandonado na cruz – que é, ao mesmo tempo, Senhor e Deus. Só é possível entender este amor que se dá na cruz – a revelação perturbadora, como nos disse o Papa Bento XVI – pelo próprio Amor. Do contrário, jamais entenderíamos.

Só compreende o Crucificado quem experimenta o amor. Só entende quem expande o coração para sentir esse amor. Entretanto, para quem não se deixa amar é uma loucura, mas para quem experimenta é força de salvação.

Logo após a revelação do Senhor em nos amar, Ele nos diz: “meu filho, o Amor não é amado”. Ele que vai à frente, amando e mostrando lugares seguros onde possamos continuar amando e vivendo deste amor.

O Amor não é amado

Por não aguentar tal revelação, passamos a amar – isto é, retribuir, considerando que este Amor não pode ficar abandonado e esquecido. O Senhor nos escolheu e nos convenceu de que Ele não era amado.

Se você for convicto disso, que foi escolhido para amar, se tornará uma alma esposa como convém, como é necessário.

Onde estivermos perceberemos que o Amor não é amado! Aqui entre nós, pode-se notar. Todas as vezes que encontramos essas ocasiões, precisamos repetir: “Eu dou a minha vida para amar o Amor que não é amado”.

Por essa razão, o Senhor convida a encarnar: fazer com que o Carisma tome “carne” e forma em cada um de nós. Lembre que a toda hora é oportuna para repetir: “Eu dou a minha vida para amar o Amor que não é amado”.

Em todas as situações da vida em você faz a oferta de dar-se pelo Amor que não é amado, o Senhor recebe. Assim ficaremos repletos do seu amor, até conseguirmos corresponder e amar à medida do amor de Deus. Como disse São Paulo, o amor de Deus já foi derramado em nossos corações (cf. Rm 5, 5).

O amor é exigente

A medida do amor divino é exigente. Exige que você reze, que você tenha vida de oração, Eucarística, comunitária e fraterna… O amor exige que você perdoe setenta vezes sete; ande sorrindo, seja paz, seja céu, seja sinal de Deus, seja luz, seja virgem prudente e alma esposa apaixonada!

Para tanto, Deus escolheu, separou e cumulou você de amor. Se Ele cumulou de amor, saiba que em seu meio haverá muitos espinhos para exercitar esse amor, para seguir amando o Amor que não é amado.

O dom está em você. Encarnar é viver o que Deus nos deu, é colocar em prática. Da fonte quanto mais se tira água, mais ela aumenta seu nível. Quanto mais eu amar, mais terei amor para dar. O amor não finda! E Deus nos deu o dom maior: o de amar a Ele e ao irmão.

Vander Lúcia – Fundadora da Comunidade Filhos de Sião

Precisamos acolher, receber o dom de Deus. Ora, quem recebeu bens de Deus é grato! Verifique se há gratidão no seu coração pela Comunidade; pelos irmãos que recebeu; pelos centros de evangelização; pelo chamado para servir, doando-se, gastando-se, para ver tudo belo em vista do Senhor; na partilha que é feita na devolução da koinonia, do acompanhamento… Quem recebe o dom de Deus é um ser grato!

Acolhimento e gratidão

Se quem acolhe o dom de Deus é grato, comece a se observar: “Qual nível está a minha gratidão?”

Embora ser filho de Sião não seja um mérito, é uma graça! Pois foi escolha de Deus. Se você foi escolhido, e deixar de ser filho de Sião, quer dizer que negou a escolha de Deus! Apesar de sermos miseráveis, o Senhor nos separou, não nos deixou de mãos vazias… Ao contrário, nos enriqueceu, pois Ele quer que o amemos como ninguém O ama! Ele nos quer neste momento como almas esposas.

Sendo assim, o mundo precisa de filhos apaixonados pelo seu Criador, pelo seu Pai – Deus e Senhor. A humanidade nunca teve tanta necessidade de corações apaixonados como tem hoje, apaixonados por Deus.

Por volta do ano 1100, Deus quis um coração completamente apaixonado. Ele precisou que Francisco chorasse de amor! Alguém já viu você chorando de amor por Jesus? Pois no século 12, um apaixonado andava chorando de amor. Se naquele tempo foi preciso um homem assim, imagine nos dias de hoje, onde tudo se tornou morte, na cultura do descartável.

Como está a temperatura do seu amor?

É como se o Senhor dissesse que precisa que O amemos como São Francisco. A nós é dada a graça de estarmos diante de Jesus, do céu. Não merecemos, mas Ele assim o quer.

Quando aquele camponês perguntava a Francisco por quê ele chorava desconsoladamente, o santo respondeu que o seu Senhor está na cruz, “e me perguntas porque choro?”. São Francisco sabia o que levou Jesus à cruz… Entendeu que os pecados dele foram o motivo. Os nossos pecados fizeram Jesus ir para a cruz!

Quantos corações adormecidos e indiferentes no nosso meio…

Francisco chorou desconsoladamente por amor a Deus. E você, já chorou de amor na sua oração pessoal? O Senhor precisa que vivamos apaixonados por Ele. Esse ‘viver apaixonado’ é encarnar o Carisma, é fazer da sua vida uma canção de amor.

A vivência do louvor e da adoração em tudo o que nos acontece

Tendo em vista que o santo de Assis inspira como viver apaixonado, ele também contagiou aquele camponês com tamanho amor. Para encarnar o Carisma, você precisa ser contagiado pelo ensinamento que Francisco deu. Logo, quem recebe, dá! Deus te deu um dom para poder contagiar o mundo com esse dom. Dessa forma, louve por todos os envios que Deus te faz!

Afinal, inflamar o Carisma significa inflamar quem se aproxima de nós. O dom é para se doar.

Um dia nós passaremos, por isso, siga inflamando e despertando que o Amor não é amado! O dom recebido é para ser transbordado. Uma alma apaixonada fala do seu amor, do seu amado. Como Francisco, que tinha um amor inflamado por seu Deus. Ele nos ensina como amar o Senhor.

Então, quantos já saíram apaixonados por Jesus ao passar por você?

Louvar e adorar

Conduzidos pelo Artigo VI dos Estatutos da Comunidade Filhos de Sião.

A partir do Estatuto, o chamado é para encher sua boca de louvor: amanheça e anoiteça louvando ao Senhor. Louvar é uma determinação. Portanto, tenhamos nos lábios os louvores de Deus.

Em suma, quem louva adora, louvar é adorar! O louvor é a expressão de quem é adorador. Ame Jesus como se hoje fosse o último dia de sua vida! Santa Teresinha já ensinou: só temos o agora para amá-Lo.

Por isso, necessário é que nos tornemos pessoas gentis, que não guardam rancor e nem mágoas; que tornam as coisas ao nosso redor em paz; viver vida de silêncio. O amor é capaz de se aproximar, tocar, perceber, conhecer e saber o que precisamos. Mostremos com a nossa vida que amamos!

Agora, reflitamos com Efésios 4, 1-5.

Isso posto, viva da forma como você foi escolhido. Tenha uma identidade, um coração apaixonado por Jesus. Pois quem encarnou o Carisma…

  • Não murmura, tudo faz amando e sorrindo;
  • Enxerga o mundo com olhar divino;
  • A vida não lhe pertence mais, foi entregue ao Carisma, em vista da Igreja e da Comunidade.

Assim, entregamos nossas vidas ao dom de Deus, pela humanidade e pela Comunidade. Haja vista que daremos tudo o que de graça nós recebemos. Bendito seja Deus que nos convida a viver martírio branco!

Por fim, a certeza que o Carisma está encarnado em nós é quando somos capazes de o transmitir e de fazer outros se apaixonarem.

Afinal, o dom não é meu, é de Deus. Só dá quem recebe, quem é convicto do dom de divino. Todos os santos tinham convicção, agora é a sua vez de seguir convicto.

O Baixo Vale Acaraú, a Diocese de Sobral espera a revelação dos Filhos de Sião!

Revelem-se: é a hora da revelação dos Filhos de Sião. Revelem-se, por favor!

 

Vander Lúcia Menezes Farias
Fundadora, Consagrada na Comunidade de Vida com Promessas Definitivas

Tema Geral – Retiro da Comunidade de Aliança Filhos de Sião 2023

Conheça nossos autores

Abrir bate-papo
Olá
Podemos ajudá-lo?