Formação

Semana de Formação 2023: Os escusados não provarão a minha ceia

“Nenhum daqueles provará do meu banquete” (Lc 14, 24)

Afinal, por que Jesus termina de forma tão dura? Porquê no dia a dia precisamos colocar o convite do Senhor acima de todos os convites.

Trata-se de colocar o nosso relacionamento com Deus acima de todas as coisas; discernir sempre em prol de um bem maior. É necessário estar atento no cotidiano, colocando em prática o primeiro mandamento da Lei de Deus: Amá-Lo sobre todas as coisas (Dt 6, 5).

 

Já não são os prazeres terrenos que nos fazem felizes, mas fazer a vontade de Deus

Cuidado! O mundo nos conduz à vivência de forma egocêntrica, mas nós somos o povo de Deus e, por isso, precisamos cuidar uns dos outros. Os planos divinos são para felicidade – isso só não acontece porque nos afastamos dEle. O plano de Deus é a felicidade! E esta não se contém, ela se dá, se dobra, e é da felicidade interior que nós temos fome, e buscamos sem encontrá-la.

Convém que aceitemos o convite, porque aqueles primeiros convidados não aceitaram. Vale enfatizar que o Evangelho não para com a nossa recusa, ele vai buscar novos destinatários! Não deixemos que ele passe por nós, simplesmente.

 

Diante de Jesus as coisas vão para o seu lugar: Ele é o Senhor

Vander Lúcia – Fundadora da Comunidade Filhos de Sião

O segredo está em aceitar o convite do Senhor! Eis o lugar que Ele mesmo nos preparou: à mesa do banquete. Aqueles não foram, não queriam se sujeitar a Deus. Ele é o Criador, o Senhor, e nós a criatura – entendendo isso será, então, um prazer para nós servirmos a Ele.

Infelizmente, os ocupados preferiam seus bens, sua vida, cobiça, e egoísmo, parando nas coisas – que sempre vão nos ocupar. Assim, cabe a nós escolhermos ficar entre os ocupados ou os livres… Quanto a isso, Santa Teresinha nos aconselha: “Quanto menos, melhor”!

 

Queres ficar com a melhor parte?

Escolhamos Jesus, Ele é a melhor parte! Não negligenciemos nossa vida de oração, pois tudo vem de Deus. Não esqueçamos: a salvação não se compra, basta que entremos no banquete.

Vamos escolher ficar com o dono da festa! Os que dizem não, perderam a capacidade de sentirem-se amados – só diz sim para Jesus quem se abre para ser amado; só entra no Reino de Deus quem nunca recusou Jesus, ou que, pelo menos, habitualmente não O rejeita.

 

O banquete está preparado: venham!

Tudo está preparado! Deus é bom e misericordioso, mas não podemos esquecer que Ele também é justo – recordemos aqui das virgens prudentes e imprudentes (Mt 25, 1-13). Se fecharmos a porta do nosso coração por dentro, Ele não pode abrir por fora. Quanto mais vamos dando ‘não’ a Cristo e ao Seu projeto de vida, acabamos travando, fechando as portas dos nossos corações.

Sendo assim, negar o convite e fechar a porta para Jesus, de modo que Ele não entre, mais tarde isso terá consequências. Todas as desculpas que nós damos para o chamado divino significam que nos recusamos à vida que Deus tem para nós.

 

Fujamos das desculpas porque, por nós, Ele foi à Cruz

Ora, como podemos dar desculpas Àquele que deu a vida por nós na Cruz? Nós vivemos indiferentes Àquele que nos dá a felicidade. No Evangelho que fomos estudando, durante essa Semana de Formação, tivemos duas recusas: a dos convidados e a de Jesus.

Isto é, da mesma maneira que nós temos o direito recusar o convite, Jesus o tem de nos substituir. Porém, antes de fechar a porta, Cristo oferece muitas oportunidades, chamando-nos de diferentes modos, Ele vai até o fim, insistindo conosco… Entretanto, chegará o tempo o qual não haverá mais tempo: Ele precisará nos rejeitar por causa da nossa rejeição.

Logo, o que Jesus espera é que mudemos de vida. Para isso, não alimentemos o mal, devemos cortá-lo pela raiz. Quem é de Deus se sujeita às coisas de Deus!

Ainda, se faz necessário ser útil na obra do Senhor, mudar o nosso comportamento e transformar nossa vida. Comecemos pela vida espiritual, pois “quem não reza se embrutece”.

Pela Cruz podemos perceber, portanto, que Deus não mediu os esforços para nos salvar. Ele preparou um grande banquete para nós, que é Jesus – o banquete da vida eterna.

Então, fiquemos com este alerta: paremos de insultar Deus com a nossa negligência! Pois podemos ser o convidado que não entrou no banquete. Vamos nos converter, tomemos a decisão de entrar no banquete!

 

Vander Lúcia Menezes Farias
Fundadora da Comunidade Filhos de Sião

Conheça nossos autores

Abrir bate-papo
Olá
Podemos ajudá-lo?