VOCACIONAL FILHOS DE SIÃO

Configurar-se a Cristo a partir da sua condição

Se não for para se deixar formar, podar, conduzir por Cristo, não adianta passar pelo caminho vocacional. Como diz a música, é preciso esvaziar-se, modelar-se.

Na Santa Missa deste 3º Domingo do Advento, a liturgia nos aponta para o precursor do Messias esperado. Ouvi nosso padre dizer algo muito simples, mas muito belo: “as pessoas confundiam João Batista com o Cristo – isto é, com o Messias – porquê ele se configurou a Jesus”.

Configuração a Cristo pelo estado de vida

Nós também somos convocados a essa configuração com Cristo, a partir – e independentemente – da nossa condição.

Nesse sentido, entende-se por estado de vida como uma condição temporal, a qual uma pessoa é chamada a servir e amar a Deus e à humanidade. Trata-se de uma missão e uma escolha pessoais.

Na Igreja, o que é considerado ‘estado de vida definido’ são as pessoas que já foram sacramentadas em suas escolhas, isto é, que receberam o Sacramento da Ordem ou do Matrimônio.

O seu lugar na Comunidade, seja Comunidade de Vida ou de Aliança, em relação a um Carisma, é algo mais importante – em termos de Novas Comunidades – do que o estado de vida, pois este é uma condição temporal – ou seja, algo do tempo presente –, logo, pode ser decidido a posteriori.

Identidade e suas características

Àquilo que a pessoa tem de mais profundo; o que ela é, de fato, e que ninguém pode mudar chamamos de identidade. Concerne na sua própria substância. Dessa forma, na identidade há aquilo que é dado e que é para sempre – a isto denominamos ‘identidade ontológica’. Já aquela que vem por meio da socialização, é chamada ‘identidade cultural’.

Quanto ao que é ontológico:

  • A primeira característica é que você é filho de Deus. Embora você opte ou não por Deus, ainda que o seu fim seja no inferno, até lá essa realidade não será mudada: você sempre será filho de Deus. É algo recebido; não pode ser mudado, pois foi escolha e decisão de Deus.
  • A segunda característica é a sua sexualidade. Cada um de nós nasceu homem ou mulher, é algo que não se escolhe. Ela é uma condição dada por Deus, e por consequência, imutável.
  • Uma terceira característica pode ser o Carisma: ele também é ontológico. Apesar de que na eternidade você não precise mais se afirmar como Filho de Sião, ou evangelizar, lá seremos reconhecidos pelo Carisma. Mesmo sendo uma característica,

Sendo solteiros, podemos passar pelo processo de discernimento do estado de vida. Há duas formas de missão, de servir a Deus e à humanidade: você pode escolher entre celibato ou matrimônio.

Como João Batista, independente do estado de vida, devemos também nos configurar a Cristo. Diferente do que o mundo prega, o que for decidido, viveremos até o fim.

Acerca do celibato, vale recordar que ele foi inaugurado por Cristo, pois Jesus trouxe o novo sacerdócio. Isto é, por amor a Cristo, o celibato é uma união com o próprio Senhor.

Com relação ao discernimento, o que a Comunidade orienta?

Ao desejar descobrir qual o seu estado de vida, se você está solteiro, convém rezar primeiramente com o celibato. No entanto, se está solteiro namorando – pois namoro ainda não é casamento! – cabe refletir sobre o matrimônio.

É preciso olhar para si, para a própria história, e sua personalidade. Isso porquê está explícito, escrito em sua história o seu estado de vida! Sendo assim, discernimento correto passa pela sua percepção, e sua busca da vontade de Deus.

Não necessariamente você precisa passar pela experiência de um relacionamento para discernir qual estado de vida é o seu. Mesmo sendo aconselhável um relacionamento afetivo prévio à decisão, isso não é regra!

Irmãos, a melhor coisa do mundo é estar na vontade de Deus!

Aqueles que têm estado de vida definido, não cabe o arrependimento, pois o Senhor já sacramentou aquela escolha. Além disso, um relacionamento para dar certo precisa ser em Deus! Não acredite apenas nos seus sentimentos. Enfim, o seu matrimônio é (ou será) para melhor servir a Deus e à humanidade.

Vale ressaltar que estado de vida é algo muito sério. Quanto aos relacionamentos, Deus não predestina ninguém, não há “a pessoa certa”, mas haverá alguém que dê certo com você! E, mesmo se um dia, parecer que aquele relacionamento não deu certo, não necessariamente é por falta da vontade de Deus, ou de oração… Simplesmente, não era para ser.

Não esqueça que o estado de vida é uma condição temporal e uma escolha pessoal, pois é você mesmo quem vai sofrer as consequências da decisão. É estritamente necessário pedir a graça de ser fiel a essa escolha.

Estados de vida no Carisma

Na Comunidade Filhos de Sião, os estados de vida são subdivididos em três: celibato, sacerdócio e matrimônio. Segundo a espiritualidade do Carisma, pela vivência dos conselhos evangélicos, todo filho de Sião deve viver a castidade. Ela é essencial e necessária, por isso o membro tome posse da virtude da temperança e do domínio de si, a fim de que se torne apto para amar o próximo e para ser uma testemunha do amor de Deus (cf. EFS).

Portanto, na Vocação, o estado de vida é um dom, um presente, e um chamado pessoal que o Senhor concede a cada um, de acordo com a Sua santa vontade, a fim de que o filho de Sião possa amá-Lo e servi-Lo nos irmãos, e melhor viver o Carisma.

Por essa razão, como dito anteriormente, é necessário discernir primeiramente o próprio lugar na Comunidade antes de decidir o estado de vida. É muito importante!

Como saber se o estado de vida é vontade de Deus?

Para saber se o estado de vida é da vontade de Deus basta se ele não te fecha, não te impede de viver em missão. Além do mais, a Igreja apresenta que, dentre os sete Sacramentos, o Matrimônio e o Sacerdócio são sacramentos de serviço.

Afinal, em função de que o estado de vida deve ser vivido? Por que escolhemos casar ou permanecer celibatários? A resposta é simples: nós nos consagramos em vista da missão! É no estado de vida discernido que serviremos melhor a Deus, à Igreja e à Comunidade.

E para você que está nessa caminhada vocacional que namora, ou já é casado, e o seu par não faz parte da Comunidade, um conselho: deixe claro onde você está! Dê testemunho; ore por ele para que o Senhor possa tocar o seu coração.

Quando você tem a graça de acertar na decisão do seu estado de vida, Deus te chama para a felicidade na Sua santa vontade! E não há maior alegria!

 

Julineide Mendes
Consagrada na Comunidade de Aliança com Promessas Definitivas

Conheça nossos autores

Abrir bate-papo
Olá
Podemos ajudá-lo?