Formação

Feliz o homem que se compadece

Jesus foi capaz de se compadecer das fraquezas de cada ser humano. Sentir compaixão, sentir pelo outro, amar o outro, não é algo simples não se trata apenas de ter “dó” e permanecer numa atitude passiva.

Jesus sentiu compaixão e deu um passo a mais e fez algo, e fazia algo, por aqueles que Ele encontrava.

Para podermos entender bem compadecer trata-se de sentir compaixão, condoer-se, é uma participação espiritual na infelicidade alheia, digamos que seja chegar junto, estar presente.

Conduzidos por Lucas 14, 1-6.

Encontramos dois comportamentos nessa cena o de Jesus que olha para aquele homem com compaixão, se compadecendo de sua situação, de sua enfermidade e os fariseus que queriam saber se estavam cumprindo a Lei. Na Lei dizia que dia de sábado não se podia fazer coisa alguma. Nem mesmo o bem!

Neste evangelho Jesus nos dá um grande ensinamento: A nossa vida com Deus precisa nos levar a se compadecer do próximo.

Existem pessoas que são rigorosas em suas devoções, rezam terços, fazem adoração, faz isso e aquilo. E tem que fazer mesmo, temos que rezar. Mas no seu dia a dia, no trato com os irmãos é pior do que um cavalo, dar coice a torta e a direita. Esquece de se compadecer do outro.

Cuidado! Nós que estamos muito próximo de Deus, que rezamos, fazemos orações, nos confessamos. Mas na hora de fazer o bem para o próximo temos o nosso coração fechado, indiferente!

A medida para se saber se o homem ou mulher são de Deus, é a forma como tratam o próximo! A importância que eu dou a vida do outro me diz se realmente eu sou um homem ou mulher de oração.

Uma pessoa que não se compadece diante do outro que está precisando, já está negando a sua humanidade. (não existe mais sensibilidade nesta pessoa), devemos rezar para termos corações sensíveis a voz de Deus e ao cuidado do outro.

Se ficarmos insensíveis, não ligaremos mais para essas realidades, deixaremos que nossa humanidade seja desviada, equivocada do seu estado de graça.

A nossa humanidade foi desconfigurada, perdeu a capacidade da compaixão. O sofrimento maior é de quem não sabe se compadecer do sofrimento dos outros, porque perdeu a sensibilidade, perdeu os sentimentos de Jesus.

Devemos responder diante da compaixão que recebemos de Deus, com compaixão para com aqueles(as) que sofrem, é muito bom receber, mas é muito nobre dar e partilhar de si.

A mais alegria em dar do que receber. (Atos, 20-35).

Hoje um grande mal ronda as nossas vidas, está na nossa casa, no nosso trabalho, nas escolas, faculdades e também na Igreja: a fofoca. Papa Francisco diz que o fofoqueiro é um terrorista.

Quem fofoca não se compadece e muito menos tem compaixão do irmão, pois se assim o tivesse não espalharia conversas e situações da vida do outro.

“O demônio é mentiroso e fofoqueiro. Tenta dividir, quer que um fale mal do outro. Sabem o que é uma pessoa fofoqueira? É um terrorista, porque a fofoca é como uma bomba. Joga a bomba, destrói e vai embora tranquila”, disse o Papa Francisco

“Do próximo, ou falar o bem ou calar a boca” Dom Bosco

Conduzidos por Mateus 22, 34-39

Jesus vem nos ensinar o grande mandamento do amor, o evangelho nos faz questionar, a vivência com o irmão. Eu amo meu irmão realmente?

Hoje é um dia de rever a minha vida, como eu trato meus irmãos, como amor? Como são minhas ações para com o meu irmão?

Precisamos sempre nos questionar porque o mundo, as coisas, tem nos deixado primeiro sem tempo e segundo egoístas. Só pensamos em si, esquecemos do outro, da vida do outro, mas Jesus vem nos dizer que se eu não amo meu irmão que vejo, como vou amar a Deus que não vejo.

Se nós nos colocássemos no lugar do outro antes de falar ou opinar alguma coisa, nosso comportamento em relação ao nosso irmão seria outro.

O que acontece atualmente é que esquecemos de amar para julgar. Deixamos de amar para citar nossa opinião que na maioria das vezes ferina, não podemos ver um deslize do irmão que já queremos julgamento e como se não bastasse já damos a sentença e esquecemos de amá-lo.

Experimente olhar o outro, a situação do outro com o olhar de Deus. 

Faça um exame de consciência das suas ações para com o irmão. Se eu verdadeiramente amo o meu irmão eu não vou fazer comentários maldosos, nem fofoca dele, eu não amo meu irmão querendo ser maior que ele, mais santo que ele. Eu amo meu irmão na entrega diária, no estar junto e principalmente quando eu vou em defesa de sua causa. A dor do irmão precisa ser a minha!

Amar a quem nos ama é fácil. Difícil é amar quem nos persegue! Precisamos ter um coração compassivo, um coração compadecido, um coração bondoso para com aqueles que nos perseguem, que nos atacam. É uma tarefa difícil termos compaixão de quem nos persegue, mas o que nos diz o Salmista é feliz o homem que se compadece.

Aquilo que você deseja que façam a você, você deve fazer primeiro. Ame primeiro, perdoe primeiro, dê o primeiro passo, você tem o Espírito Santo de Deus dentro de você.

Irmãos quem se compadece, ama!!

Que Nossa Senhora interceda por cada um de nós, para que aquilo que realmente vivemos nos nossos relacionamentos com Deus, seja também vivido com o irmão.

 

Fellipe Rios Osterno
Consagrado na Comunidade de Aliança Filhos de Sião

Conheça nossos autores

Abrir bate-papo
Olá
Podemos ajudá-lo?