Formação

Retiro Ambulante Jubilar

Um solo santo, aqui é o lugar que o Senhor fala aos Filhos de Sião…

Evento fundante

O maior prodígio que Deus quer fazer hoje é revelar Sua vontade para cada um de nós… O que o Senhor quer da tua vida? Ele se utiliza de tudo para chegar às nossas vidas. A partir do evento fundante, Ele se aproximou de nós através da revelação do Carisma.

Assim, a inspiração inicial aconteceu num domingo, no final da manhã daquele conturbado retiro, e depois de uma noite de sofrimento – mas também de muito louvor!

No Coração de Maria

O retiro ambulante é a metade da caminhada vocacional. Por isso, o Senhor diz para você: não desanime, não enfraqueça, pois já está no meio do caminho! Diante disso, fixamos o olhar nAquela que soube e quis dizer sim ao Pai: Nossa Senhora, a mãe de Jesus, Maria Santíssima – a Virgem de Sião.

Enquanto no início da Comunidade – antes mesmo de serem “montadas todas as peças do quebra-cabeças” da vontade de Deus – nossas formações e experiências tenham acontecido no Sagrado Coração de Jesus; foi no Coração de Maria que passamos aquela noite inteira, antes de chegar ao destino.

Então, ao amanhecer subimos a serra para viver o retiro. Mesmo cansados, ainda sem entender muitas coisas, na manhã de 5 de julho de 1998, o Senhor entrou por esta porta pelas mãos da nossa fundadora, que era Ministra da Eucaristia.

Na medida em que a condução da oração pela Comunidade Coração de Maria acontecia, nós íamos vivendo no “nosso mundo”. Talvez você esteja assim, vivendo no seu mundo!

O Amor não é amado

No entanto, naquele domingo nós escutamos um grito. Não foi uma voz forte, ou um som que estrondou a sala – foi um grito que chegou na alma; uma voz que penetrou o mais profundo dos que ali estavam. Até que nós escutamos pela primeira vez: “O Amor não é amado!”. Nunca tínhamos ouvido essa expressão antes.

Ao escutar, a única reação diante do grito foi chorar. Era a única que conseguíamos fazer… Não sabíamos ainda o que era ofertar a vida, mas naquela manhã o Senhor já nos inquietava porquê queria as nossas vidas quando gritou: o Amor não é amado.

Quando Jesus gritou pela boca do nosso irmão, foi quando a fundadora se entregou: “Eu oferto a minha vida para te amar, Jesus, e amar a Tua Igreja”. Essa entrega, que brotou do coração dela, o Senhor acolheu e foi Se manifestando para nós, formando um povo, um corpo e nos dando a coragem de ofertamos também as nossas vidas para Ele.

Deus de surpresas

Em vista de tudo isso, o Senhor surpreendeu você. O retiro ambulante jubilar foi preparado para despertar algo divino, santo, sagrado. Este prédio que estamos tem novas finalidades hoje, por isso não tínhamos certeza se a sala – onde ocorreu o evento fundante da Comunidade – estaria aberta… Ano passado não estava, mas para a nossa surpresa o Senhor abriu as portas! O que mais você pode querer?

Afinal, Deus precisa fazer mais alguma para chamar a sua atenção? O Senhor está nos surpreendendo!

Esta sala foi o local que Deus chamou os Filhos de Sião para amá-Lo. Portanto, a única coisa que Ele quer é amar e ser amado: Deus nos quer apenas para amar! E não quer que amemos do nosso próprio jeito, como pensamos, planejamos, julgamos e como achamos que deve ser…

O Senhor deseja a sua vida, a fim de que você ame com Ele amou: e como foi que Deus amou? Entregando Seu próprio Filho, e o Filho amou entregando Sua própria vida.

Para tal os Filhos de Sião são chamados – para amar e dar a vida por amor! É esse o segredo dos Filhos de Sião.

Por que somos Filhos de Sião? Porque Deus quis nos chamar para amar, e Ele chamou os que não sabem amar, porque Jesus na sua vida terrena Ele sempre quis confundir os sábios os inteligentes. Quem fez parte dos grupos de Jesus foram pescadores, cobradores de impostos, prostitutas e pecadores. E se tornaram em discípulos que amaram o mestre.

Amor que sacia

Reflitamos a partir de João 19, 28. No alto da cruz Jesus disse: “Tenho sede”. Poderia dizer qualquer outra coisa, mas Ele diz que tem sede. Ali mendigava, gritava que tem sede de um povo que O ame. Jesus sentiu sede de nós, para que nós O amemos em Seu abandono.

Logo, o grito “o Amor não é amado”, não foi apoteótico, alegórico, cheio de holofotes… Quando Jesus gritou, simplesmente estava mendigando o nosso amor. Ele estava contando com o meu e o seu amor, para saciá-Lo, amá-Lo.

Foi algo tão pequeno, que Jesus se abaixou até onde nós estávamos, na nossa miséria, na nossa infantilidade. Porém, uma coisa era certa: nós queríamos ser de Deus!

Como não aguentávamos mais, fugimos daquela cidade. Na verdade, nós estávamos fugindo de nós mesmos… Os piores da cidade éramos nós, e o Senhor nos traz à Meruoca para me mendigar nosso amor.

Sendo assim, o que estamos retendo para nós, que está nos impedido de dar tudo a Ele? O que Cristo fez conosco foi isso, mendigar amor. Jesus está mendigando seu amor, sussurrando e pedindo: “me ame, me ame, me ame, me ame”…

Um encontro com Cristo

Vejamos o Evangelho que narra o encontro de Cristo com a samaritana, em João 4. Neste momento, Jesus também vem ao seu encontro rompendo todo preconceito, sabendo quem você é e do que é capaz.

Os verdadeiros adoradores são aqueles que O conhecem e O adoram, em espírito e verdade. Só ama quem conhece! Se Jesus te chamou para amar, está te chamando para conhecer a Ele e à Sua vontade para a tua vida.

Cristo chamou os Filhos de Sião para conhecê-Lo, amá-Lo; para ser dEle, pertencermos a Ele e viver em comunhão com Ele! E a partir da comunhão com Jesus, fazer o que Ele quer das nossas vidas.

“Acorda”, Ele nos diz, “sou Eu que estou falando contigo. Tira a sandália dos pés, sou Eu. O que queres ainda?”

Aquele que se sente amado frutifica, e vai falar do Amor. O que você tem falado de Jesus para as pessoas? É hora de transformar em frutos a sua vida!

 

Francisco Adriano Silva
Cofundador, Consagrado na Comunidade de Vida com Promessas Definitivas

Conheça nossos autores

Abrir bate-papo
Olá
Podemos ajudá-lo?