Formação

Vigília Mariana: Os dons do Espírito Santo foram desenvolvidos em Nossa Senhora

Em preparação para a festa de Pentecostes que se aproxima, a Comissão da Juventude Siyyõn promoveu a 2ª Vigília Mariana – Aos moldes de Maria, a fim de conduzir todas as almas jovens da Comunidade a meditarem sobre a plena manifestação dos dons do Espírito Santo na Santíssima Virgem Maria. Vejamos como Ela soube se deixar conduzir em sua peregrinação nesta terra sob a ação do Espírito.

Dom de Sabedoria

Wesley – Discípulo Maior na Comunidade Vida.

Iniciando pelo degrau mais elevado, o dom da sabedoria foi vivenciado perfeitamente por Maria. Ela foi concebida sem pecado – nasceu sem mácula, pura, repleta da Sabedoria de Deus. Sendo, portanto, considerada a cheia de graça, cheia de Deus e de conhecimento.

Diante da sua missão, Ela precisava muito desse dom, porque era necessário entender os planos de Deus para a vida dEla, já que, se não conhecesse os desígnios do coração de Deus, Maria poderia ter respondido “não”. No entanto, Ela era livre, e por isso foi acolhendo todo o plano da Salvação.

Este dom nos salva, nos livra do pecado. Maria deu à luz a Jesus e Ele é a sabedoria de Deus, então Maria é a Mãe da sabedoria.

Este dom não entra em uma alma impura ou pecadora, é preciso estar em estado de graça para o desenvolvermos em nós. Para Nossa Senhora foi, de certa forma, mais fácil de viver todos os dons devido a sua condição imaculada. De nossa parte, devemos olhar para Ela como exemplo, para que essa graça possa acontecer também em nós.

Além disso, a Sabedoria foi o dom que Deus usou para criar o mundo, por amor. Esse presente divino conduz toda a criação e a nossa vida, a partir do momento em que nós permitimos.

O sábio é amigo de Deus! Nossa Senhora era íntima de Deus. Essa amizade nos faz entendermos o que Deus reserva para cada um de nós. Maria foi iluminada com o dom da Sabedoria para bem saber das coisas do alto e, sobretudo, da infinita bondade de Deus.

Dom de Inteligência 

Pedro Allef – Consagrado na Comunidade de Aliança.

Neste momento conheceremos mais um degrau, mais um dom do Espírito Santo. Nós somos privilegiados, pois é uma oportunidade de privilégio estarmos diante de Deus, que nos dá Seus dons para nos santificar.

Sabemos que todos têm inteligência. Porém, o dom de Inteligência é diferente da inteligência humana. Esse dom nos ajuda a irmos mais fundo, na raiz de Deus, nos faz entender o que Ele quer para a nossa vida, o que a Igreja ensina, e também o que a Comunidade Filhos de Sião conduz!

Hoje, a juventude necessita do dom da Inteligência para entender aquilo que Deus quer de cada um.

É um dom nos iguala, e faz de nós instrumentos d’Ele. Aqueles que estiverem abertos a este dom chegam à intimidade profunda com o Senhor.

Na vida de Nossa Senhora, a “palavra certa” e a “inteligência necessária” foram as características que Ela teve em todas as situações, conseguindo viver e entender toda a vontade divina, mesmo sendo pobre, simples e humilde.

Logo, Deus nos dá uma graça para conseguirmos ter o entendimento profundo, o mesmo “entendimento” que Ele mesmo tem. Com essa graça, diferenciamos o que é pecado, para então fugirmos daquilo que é pecaminoso. É o dom que abre os nossos olhos para entendermos o que vem de Deus e o que não vem, e assim vivermos na Verdade.

Juventude, a melhor escolha é a presença de Deus. Só se realiza plenamente na presença de Deus! Dê o primeiro passo que o Senhor conduzirá o restante do caminho.

Dom do Conselho

Carlos Rony – Discípulo Maior na Comunidade de Aliança.

Será que já descobrimos o por quê de estarmos aqui? Somos convidados a ter uma experiência com o Espírito Santo, a acolhermos o Espírito, e por Ele sermos santos de calça jeans. A santidade precisa ser o nosso objetivo.

Para isso, vamos ao terceiro degrau: o dom do Conselho. Este tem a finalidade de iluminar nossa consciência, de tornar claro o que ainda não está. É uma necessidade nos nossos tempos!

A juventude, de maneira particular, sofre muito pela falta de um bom conselho. Antes de darmos, precisamos recebê-los, e quem dá esse dom é o Espírito Santo: Ele é o verdadeiro Conselheiro!

O presente, isto é, o dom do Conselho é um sopro novo na consciência, elucidando o que é lícito e o que convém à alma.

No conhecido Evangelho do jovem rico (cf. Mt 19, 16-22), Jesus orienta, instrui e faz aquele rapaz se encontrar com a sua própria verdade. É necessário ouvir Cristo, para que de fato consigamos entender o que Ele quer de nós. Ele sempre nos fala, sempre!

Ainda, é importante sabermos que vontade de Deus vem em forma de conselho. Somente pelo Espírito Santo entenderemos a vontade divina. Por isso, busquemos o auxílio de Nossa Senhora para entendermos todos os planos de Deus; pois Ela é para nós testemunho de fidelidade aos conselhos do seu Divino Esposo.

Dom da Fortaleza

Franciely Santos – Consagrada na Comunidade de Aliança.

Neste degrau, entendemos que fortaleza pode significar: algo/alguém forte, poderoso, firme. O dom da Fortaleza é uma força que o Espírito Santo nos concede.

Diante das adversidades, nós teríamos a mesma força de Nossa Senhora para suportar uma espada que a traspassou o coração? (cf. Lc 2, 35).

O medo não parou a Virgem Maria. Ela disse sim e o dom da Fortaleza se manifestava n’Ela! Diante de todas as situações que viveu, Ela estava fortalecida por essa graça.

O que Ela espera de nós é que sejamos firmes e fortes. Para isso, clamemos pelo Espírito Santo para nos presentear com o dom da Fortaleza.

Neste mundo, que é um “vale de lágrimas”, necessitamos desse dom que nos dá a força necessária para conseguirmos seguir Jesus. Nós iremos passar por situações difíceis com certeza, mas com a Fortaleza do Espírito, nós seremos sustentados e permaneceremos firmes.

Dom de Ciência

Lívia Rosaly – Consagrada na Comunidade de Vida.

No quinto dom – ou degrau como temos considerado em nossa meditação, temos a Ciência, que nos leva a conhecer a marca de Deus em cada criatura. Esse tesouro do Espírito Santo nos ajuda a distinguir a bondade e a malicia que existe em todas as coisas criadas.

Ainda, este dom nos ensina que toda criatura, por mais bela que seja, é insuficiente para satisfazer o coração do homem. Também pela Ciência, somos levados à compreensão dos sofrimentos e das humilhações. A dor tem um sentido, se vivida com o dom da Ciência.

Em Nossa Senhora, todos os dons foram perfeitos. Ela os viveu e, por isso, hoje nos ajuda a também vivê-los. A graça da Ciência do Espírito nos auxilia a entender e a nos abrirmos à vontade de Deus.

Dom de Piedade e Temor de Deus

Izabelle Mariano e Flávio Filho – Consagrados na Comunidade de Aliança.

Em Isaías 11, 1-2 encontramos apenas seis dons do Espírito, dos quais cinco deles foram citados até aqui. Isso porquê a Piedade e o Temor de Deus na língua hebraica usam a mesma palavra. Ao ser traduzida, o termo que tinha duas possíveis traduções foi acolhido de ambas as formas, pois assim se completariam os sete dons, e o número sete – para a Igreja – representa a totalidade. Ou seja, os sete dons do Espírito Santo são todos os dons que precisamos para sermos santos!

Sobre o dom de Piedade, São Francisco de Sales nos ensina que consiste na vontade firme de fazer o que agrada a Deus. Se eu descubro o que Deus quer, e que para Ele é agradável, eu quero fazer! Todos os dons nos conduzem à santidade, à vontade divina.

É um dom pequenino que nos conduz à fidelidade a Deus. Assim, piedade é o mesmo que devoção. É estar em prontidão, firme na vontade de fazer a vontade de Deus. Trata-se do dever de amor para com o Senhor.

Se o Espírito Santo possui todos os dons, então, a Esposa também possui. Na piedosa Virgem Maria encontramos a prontidão em assumir o plano de Deus no momento da Anunciação (cf. Lc 1).

Além do mais, a piedade de Nossa Senhora não se resume apenas no relacionamento com Deus, mas também com os Seus filhos! Vejamos que nos agradecimentos do Santo Rosário, clamamos a Sua piedade para conosco: “[…] e para mais Vos obrigar, Vos saudamos com a Salve Rainha”. A piedade é um dever de amor, uma obrigação de amor. E como boa Mãe, Ela nos escuta e nos conduz.

Temer não é ter medo

Quanto ao Temor de Deus, se tememos ao Senhor, também O respeitamos e amamos. Quem ama de fato a Deus teme perder a sua amizade. Portanto, o dom do Temor do Senhor nos faz ter medo, não do Pai, mas de perder a amizade d’Ele.

Ora, a vida de Maria foi vivida com esse temor: Ela não quis em nenhum momento desagradar a Deus, buscando sempre a intimidade com Ele.

E quem amou mais a Deus que Nossa Senhora na terra?

Ela tinha, e tem, um amor tão profundo por Deus, que em seu coração não há espaço para nada que O desagradasse. Amava a Deus “até dormindo”, como disse o grande Ricardo de São Vitor. Ela dormia o seu corpo, mas a sua alma se abrasava de amor por Deus.

Sendo assim, se mantivermos o olhar fixo neste santo modelo, com Maria seremos todo de Deus!

 

Da Redação, Comunidade Filhos de Sião

Conheça nossos autores

Abrir bate-papo
Olá
Podemos ajudá-lo?